sexta-feira, maio 04, 2007

Desempregados - olha a nossa sorte!

HIPERMERCADOS - Abertura ao domingo cria 4 mil empregos

A abertura dos hipermercados e outras grandes superfícies comerciais ao domingo à tarde permitiria criar quatro mil novos postos de trabalho. A estimativa é da Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição (APED) que quer conquistar o apoio dos consumidores para fazer com que o Governo altere a lei que determina o encerramento daqueles espaços comerciais aos domingos e feriados à tarde.

“Numa altura em que a economia portuguesa precisa de reduzir o número de desempregados, a criação de quatro mil novos postos de trabalho é um factor de peso para alterar a lei”, declarou ao Correio da Manhã Luís Vieira e Silva, presidente da APED, referindo-se ao número de pessoas que as 150 lojas nacionais de grande superfície teriam de contratar para assegurar o novo horário de funcionamento.

Animem-se desempregados!

Em breve teremos à nossa disposição 4 mil empregos de Domingo. Já pensaram que coisa melhor para quem está completamente desempregado? E é só vantagens: os outros trabalham durante toda a semana, descansam só ao Domingo e ganham mal. Neste emprego descansa-se a semana toda e só se trabalha ao Domingo. E se formos a ver, em proporção, ganha-se melhor. Nada que dê para viver, mas o que é isso de viver? Sempre é dinheirinho que vai entrando, um trabalhinho aqui, outro ali… só é pena é ser ao Domingo, não se pode ir até ao shopping… quem vai ganhar um dinheirão com isto dos Domingos são os donos dos hipermercados.

E que se animem também os consumistas. A malta, é claro, vai ficar contente, assim já pode ir outra vez toda a família junta ao hiper passar o dia de Domingo. Compra-se coisas. Come-se hambúrgueres e pizzas. Vêem-se coisas giras que não se podem comprar. Vêem-se muitas pessoas à procura, à procura…

O Socas é que vai ficar contente, sempre vai ter uns empregos para dar ao pessoal, assim já fica um bocadinho menos mentiroso. Não há-de ele andar nas palminhas com o capital a facilitar-lhe a vida. E ao menos os portugueses assim vão passear para o hipermercado e não ficam em casa a aborrecer-se com as tramóias que a televisão está sempre a dar.

Tenho pena é de já não ter idade para esses trabalhos. Aposto que aquilo é só emprego jovem, gente para andar de patins de caixa em caixa sempre que é preciso. Ou então posso não ter hipóteses por causa daquela chatice de ser licenciada. Para estas coisas de emprego não dá jeito nenhum. Eles querem é pessoal flexível, não é licenciados.

Pronto, está bem, nem sequer vou pensar mais nisso. Mas olhem que vai haver muito quem queira.

Vanessa Sofia pela factura

vai flexível e não segura

Leva nos pés uns patins/…

Tão jovem – que jovem era/

O Jumbo a mantivera

e nem pagara um ordenado

/vai fodida e não segura


15 comentários:

Porca da Vila disse...

E mais uma valente f... para o pequeno comércio.

Um Xi da Porca

Outsider disse...

Olá minha amiga! Peço desculpa pela ausência, mas estive em descanso afastado dos blogs. Mas já estou de volta.
Este teu post está magnífico, principalmente a adaptação do poema de Camões... Em vez de formosa, vai fodida...
Beijos.

P.S.- Quando tiver tempo venho cá fazer uma visita mais atenta.

rendadebilros disse...

Podes não ter nem tempo nem disposição para certos poemas, mas sabes rimar como ninguém, quando se trata de estares sempre atenta às "grandes" novidades ... deitam poeira para os olhos de algum zé povinho, fazem de conta que sim, e outros ( poucos) arrecadam o money... vai haver quem queira , vai; há sempre!
Bom fim de semana. Beijos.

Kaotica disse...

porca da vila

Mas quem se importa hoje em dia com o pequeno comércio? Olha, por exemplo aqui em Algés City já ouvi dizer que vão fechar as ruas centrais todas, como já fizeram em Oeiras em tempos. Lá se vai o pequeno comércio de Algés que ainda é a única coisa que lhe dá uma certa vida. Lembra-me aquela história de blacks para decifrar:

uuuuuuuuu devem obdc OOOOOOOOOOOO

Bjos

Kaotica disse...

outsider

Sejas muito bem vindo. Pois foi, não sei se o Camões e o Pessoa iam gostar mas olha, foi para o que me deu a inspiração. Vem sempre que quiseres mas sempre de livre vontade, sem obrigação.
Bjos

Kaotica disse...

renda

Há sempre quem queira fazer uns biscates. Vais ver no dia da greve geral tudo a funcionar, nem se vai dar por ela. Vai ser uns a lutar pelos direitos e os outros, os tais que estão sempre prontos para dizer que sim, a fazerem o que podem e o que não podem para que a greve não incomode ninguém. Como se as greves não fossem mesmo para incomodar!

Bom fim de semana para ti também, minha boa amiga!

João Rato disse...

Obrigado Belmiro de Sousa Pinto
Pelo emprego dos nossos filhos
Pelo nosso passeio de Domingo.
Obrigado Belmiro de Sousa Pinto!

Isabel Magalhães disse...

Um simples ponto de vista de uma consumidora que durante mais de duas décadas trabalhou sábados, domingos e feriados, e até no dia de Natal e Ano Novo antes do 25 de Abril de 1974.

Custa-me perceber por que é que este (des)governo me proíbe comprar bens de primeira necessidade, i.e. alimentos ao domingo à tarde e feriados, mas permite comprar o chamado 'útil / fútil nas lojas dos mesmos centros comerciais onde estão instalados os tais hiper mercados.

Quanto ao pequeno comércio, muito haveria a dizer - preços não competitivos, pouca variedade, menor higiene, aspecto menos atractivo, etc. etc.

Em relação ao horário dos hiper e se alguém se referir ao 'direito' dos trabalhadores gozarem o domingo, a lista dos que trabalham nesse dia é longa - médicos, enfermeiros, bombeiros, Polícia, empresas de segurança, condutores de transportes públicos, profissionais do Turismo, industria hoteleira e de restauração... (no mínimo).

E para terminar, gostei de ter passado por cá.

sa morais disse...

E agora o ponto de vista de alguém que até pouco tempo trabalhava feriados, fins-de-semana, páscoa, natal, etc,etc, por tuta e meia... E já depois de Abril de 74!!

Se calhar se ganhasse o que ganha um médico... Epá, nem me importava! Mas nem todos somos médicos...

E permitam-me discordar da Isabel aqui num ponto...Pequeno comércio= aspecto menos atractivo? Aspecto?! Bem, talvez fosse tempo de os Portugueses esquecerem a questão dos "aspectos"... É que aqueles produtos muitos bonitinhos, lavadinhos, calibradinhos, made in Sabeseláonde, por vezes só têm isso mesmo - aspecto! Depois come-se e é uma grande merda! Mas confesso que também sou consumidor de grande superficie, pelos preços, comodidade, etc... Agora fazer da ida ao hiper, um passeio de familia! Isso não! Porra!! Que se volte ao picniques! Aos parques e jardins! Agora ir socializar para hipers?? Valha-me deus! Isso não! O problema é que agora quando se vê alguém a fazer um picnique numa matita, alguém logo diz: "Ehehehe! Olha os parolos!!" Pois, não é chique... E nós somos o país do... aspecto...

No resto do post... Como te entendo, amiga kaotica!

PS: bela escolha de foto... Aí está a minha actriz tuga preferida.

Isabel Magalhães disse...

Caro Sá Morais;

'Da discussão nasce a luz'! :)

Essa coisa do 'aspecto' não era, exactamente, o calibre e o acabamento 'encerado' nos citrinos e maçãs, era mesmo o aspecto da loja. Não quer dizer que todo o pequeno comércio seja 'feio, e sujo, e tenha baratas que se passeiam alegremente por cima das batatas e da fruta', mas há alguns que ao passarmos não podemos deixar de fazer a pergunta sacramental; Como é que 'isto' sobrevive?

Sem contrapor a confraternização familiar ao ar livre - eu gosto de ar livre e se puder trabalhar na varanda não trabalho dentro de casa - o horário alargado ao domingo beneficia as mulheres mães de família trabalhadoras...
Apenas isso. :)

Ficam as minhas saudações.
I.

Kaotica disse...

Ai Ai Isabel, quais baratas, miúda? A gente aqui fala de caça grossa, desses Belmiros e outra bicharada muito mais reles. Domingos no hipermercado? Não me digas que é disso que se tem que pintar a nossa felicidade. Porque não posso hiper-consumir também ao Domingo? Quero ter a liberdade de me endividar um pouco todos os dias...principalmente ao Domingo! Seria bom que os (mal)empregados dos hiperes pudessem trabalhar como tu à varanda... ai ai

Kaotica disse...

sa morais

tu é que me compreendes! Também já trabalhei num centro comercial, tenho um trauma do dia da inauguração das Amoreiras em que veio povo do país todo em camionetas para ver o prodígio. Sábados inteiros lá fechada, fardada!
Abraços!

Isabel Magalhães disse...

Viva, Kaotica!

Eu não sou 'loura' nem parente dos Belmiros, :))) sou é contra proíbições que não conduzem a lado nenhum porque não vejo que daí tenha resultado qualquer ajuda para o pequeno comércio.

Quanto aos traumas, aceito que haja pessoas mais 'frágeis'.
No meu caso pessoal trabalhei mais de duas décadas no Turismo Nacional, com FARDA, horários por TURNOS, folgas ROTATIVAS, sem saber se no dia seguinte estaria no aeroporto, numa Gare Marítima, num Congresso, ou numa obscura Feira ou Romaria. E aqui abro um parenteses para lembrar que os Senhores Turistas não são todos oriundos da " 5th Avenue " ou do " Faubourg Saint-Honoré "...!

E é talvez por conhecer as dificuldades de quem trabalha o dia inteiro que defendo os horários alargados e recuso que um qualquer governo me proíba comprar alimentos numa tarde de domingo e feriado mas permita que eu compre o tal 'útil/fútil' nas lojas desses mesmos Centros Comerciais.

Daqui, surge inevitavelmente a pergunta sacramental, será o pequeno comerciante de 'quinquilharia' menos digno de protecção do que o ilustre merceeiro de bairro?

Recentemente estive em Barcelona e as lojas de rua estão abertas até às 22 horas de sábado.

Continua a ser um prazer passar por cá. :)

[]
I.

Isabel Magalhães disse...

Faltou um agradecimento pelas palavras sobre o meu trabalho.
(o tal que por vezes faço na varanda!) :)

I.

Anónimo disse...

Como trabalho todos os dias até nunca antes das 20h, ir ao hiper significa não estar com os meus filhos uma noite por semana em média. Como também trabalho durante alguns fins-de-semana, somem-lhe mais esses dias. Ter o hiper aberto todos os dias, que por acaso até é a loja mais perto de casa, não significa que passe a ir lá apenas ao domingo, mas permite-me gerir melhor o meu tempo.
Para além disso, aqueles defensores do "fim-de-semana sagrado, para descanso e estar com a família", lembrem-se também daqueles profissionais que trabalham ao fim-de-semana, feriados (Natal incluído) durante as 24h, como p.e. polícias, enfermeiros, médicos, seguranças, portageiros, etc...
Por outro lado, porque é que o Lidl, Pingo Doce, etc.. estão abertos ao domingo e os outros não podem? deve ser para proteger o "pequeno comércio" dos ditos supermercados...
Lembrem-se também que desenvolvimento económico e encerramento dos hiper ao domingo não pega, pois se isso é coincidente para alguns países europeus, na grande maioria dos ditos "tigres asiáticos" (Hong Kong, Singapura, Malásia, China, etc...) e, de tradição não cristã, é o próprio comércio tradicional que trabalha forte e feio durante todo o ano, de dia e à noite...
Abrir ao Domingo poderá de facto diminuir a qualidade de vida de alguns milhares de cidadãos que trabalham nesses locais, mas podem crer que melhora significativamente a qualidade de alguns milhões (já experimentaram a confusão de um hiper ao domingo de manhã? por que será?)

Blog Widget by LinkWithin