quarta-feira, julho 16, 2008

Limpezas e Empecilhos

O Pafúncio

Em casa, limpezas de cima abaixo, tipo tirar tudo de um quarto, limpar e pôr tudo lá outra vez. Ontem tirei tudo, hoje a senhora que trabalha aqui em casa limpou e agora não consigo fazer a parte final de lá encafuar tudo o que ficou de fora. Olho o quarto quase vazio e desejo que assim continuasse. Tantas coisas que acumulamos e depois não nos conseguimos livrar delas, perseguem-nos pela vida fora como empecilhos que queremos conservar.

Tive necessidade de não o fazer hoje, apetecia-me estar aqui no computador, como quando não se pode e se tem outras coisas para fazer. O Inverno todo, e mesmo durante a Primavera, o caos foi-se instaurando aqui em casa: livros empilhados, papelada pelas cadeiras, coisas sem sentido que foram ficando por arrumar, enfim uma desorganização de todo o tamanho, pó e pelos de animais. É que as noites passadas sucessivamente no teclado traduzem-se em desordem aqui no espaço físico. E quando se olha à volta e se toma consciência disso, é que se mede as consequências.

De volta ao computador começo por ver os mails e o tempo vai passando de assunto em assunto. Há sempre coisas para fazer e o tempo nunca chega para tudo.

De repente, de um modo quase aleatório, intuitivo, resolvo arrumar com um assunto: a associação de pais entra declaradamente em férias. Durante as férias haverá no entanto muita informação a organizar, que se quer organizada.

Como bem diz uma amiga, sem organização não se faz nada.

Entretanto o Pafúncio foi-se reduzindo à sua inactividade burguesa. Está de mãos e pés atados, com a crise, resta-lhe ficar quietinho à espera que passe o mau tempo. Aquilo lá para os Estados Unidos não está nada bem. Como abana por todos os lados o grande pilar do capitalismo global… Se estoira vai chover merda em Moscovo! Como bom Pafúncio que é, de brandos costumes, o melhor é não dar muito nas vistas e, já que não pode assobiar para o lado fingindo que não é nada com ele, pelo menos não se mete em politiquices não vá isto ainda dar a volta e ele estar posicionado do lado dos vencidos. Ainda se lembra quando teve que arranjar um cravo à pressa. Quem lhe dera a ele que a política não se viesse meter com ele, que a crise não lhe fizesse resvalar o lucro para o abismo, poder sentir-se seguro, sem medo de violências, para se poder entregar aos prazeres da vida. Felizmente está quase a ir de férias, este Pafúncio, onde se poderá esquecer de todas as dificuldades e aliviar o stress acumulado. Haverá alguém que o mereça tanto como ele?

4 comentários:

guerrinha disse...

Pois eu comecei a arrumar pela blogosfera... e pôr as visitas em dia: tantas recordações que aqui foste deixando, conhecimentos que foste fazendo da blogosfera para a realidade e reflexões...
Beijos. Bom descanso e... boas arrumações!
Beijos.

rendadebilros disse...

O comentário anterior é meu: sem querer, assenhoreei-me do nome de "guerra" do meu marido de um blogue que nunca foi e ficou assim para surpresa minha...
Sorry!

Pata Negra disse...

Kaótica
disse-me um dia um padre - e a opinião de um padre deve ser sempre tida em consideração - que a arrumação das nossas coisas reflecte a arrumação do nosso espírito!
Arruma-te rapariga! Papéis?! Por acaso tens acções na portusoporcel?
Livros? Credo! Livros?!
Boas férias e que leias apenas os sinais das coisas e das pessoas! Viva o que não pensa!
Penso que um abraço deve ser a única coisa sábia que tenho para te dar!
Um abrassssssssssssssssssssssssssso aos esses pela rua acima

Moriae disse...

Amiga,

um abraço, que espero dar-te em breve!
do coração,
M.

Blog Widget by LinkWithin