quinta-feira, março 05, 2009

AMEN

Foto daqui (ler notícia)

Sindicatos prevêem forte contestação social

JN

As centrais sindicais prevêem que 2009 possa ser marcado por elevada contestação social, por se tratar de um ano de eleições e por haver algum aproveitamento da crise por alguns empregadores que tentam reduzir as condições de trabalho.

CGTP e UGT consideram normal que em ano eleitoral aumente o tom das reivindicações, independentemente da crise económica em curso, tudo dependendo da postura assumida pelo patronato na contratação colectiva e do efeito das medidas governamentais pelo emprego.

"A CGTP já tem em curso um movimento reivindicativo em todo o país, cuja prioridade é a defesa, nos locais de trabalho, do emprego e dos salários", disse à agência Lusa Arménio Carlos, do executivo da Intersindical.

Para o sindicalista, este movimento tenderá a aumentar à medida que as negociações na contratação colectiva forem avançando.

"O movimento reivindicativo e de contestação social tenderá a aumentar no decorrer do ano, em defesa dos direitos laborais e do crescimento real dos salários", disse Arménio Carlos defendendo que o crescimento dos salários "é essencial para dinamizar o mercado interno pela via do consumo".

O sindicalista lembrou que a CGTP já marcou para 13 de Março uma manifestação nacional e os sindicatos de professores marcaram um cordão humano para 7 de Março.

"Estou convencido de que a contestação social não vai ficar aquém do ano passado, pelo contrário, tenderá a haver uma grande dinâmica de luta em defesa do emprego, dos direitos, dos salários e da contratação colectiva", afirmou.

Arménio Carlos admitiu que o facto de 2009 ser um ano de eleições "naturalmente influenciará" o nível de contestação social, que poderá concretizar-se através de greves ou manifestações e concentrações.

"Certamente que os trabalhadores não vão esquecer as promessas feitas pelo actual Governo que não foram cumpridas e não deixarão de lembrar isso, independentemente da crise", disse.

O sindicalista considerou que a crise económica só poderá condicionar a participação de trabalhadores de certos sectores em acções de luta através do medo.

"A implementação de uma ideia do medo, nomeadamente de perder o posto de trabalho, pode condicionar a participação em acções de luta, mas isto é a fragilização da própria democracia participativa", concluiu.

O secretário-geral da UGT também considerou que a crise económica não vai inibir a contestação social, podendo até contribuir para o seu aumento, dado que alguns patrões estão a aproveitar a situação para condicionar a contratação colectiva.

"Ou o patronato tem um comportamento responsável na negociação colectiva ou a conflitualidade social vai aumentar", disse João Proença à Lusa.

Mas, segundo Proença, a crise também está a levar ao aumento do desemprego, o que pode levar as pessoas a protestar contra a pouca eficácia das medidas governamentais pelo emprego.


Para o sindicalista as eleições que se vão realizar este ano também vão influenciar o aumento da conflitualidade social mas por "motivos politico-partidários".

"Ao longo deste ano vai haver conflitualidade social mas tudo depende da atitude do patronato e dos resultados conseguidos com as medidas que o Governo está desenvolver em defesa do emprego", disse João Proença.

Luta Social

3 comentários:

Alvarez disse...

Kaótica,

Isto sem a união das massas trabalhadoras já lá não vai...

Um abraço,

Alvarez

Isabel Pedrosa Pires disse...

Amén

Bjs

Kaotica disse...

Alvarez

Estou fartinha de dizer que com a união das massas já podia ter ido!

Blog Widget by LinkWithin