quinta-feira, abril 03, 2008

Dedicado a todos os burocratas do mundo

Antonio Miranda Fernandes

tudo preciso,
sem nenhuma hesitação,
nenhum erro, inimitável,
burocrata insubstituível

números crescem ou diminuem,
incham, amolecem como o sexo
arfando sob o silêncio noturno
(quem tem tempo para isso?)

carrega a ganância, o ódio
pratica a rapina, tudo por escrito
na mesma palavra, mesmo peso,
olho por olho na usura.

poesia, lirismo, amor? ora por favor...
(quem tem tempo para isso?)
tempo ignorando o seu bojo
a dor, um odor azedo e morno
a morte no sábado
enterro no domingo
sem desordem no andamento
eu sendo a exceção da regra
tive que velar seu corpo frio
sentir saudades, balbuciar rezas,
estragando meu final de semana
(tive que arrumar tempo para isso!)


ver outros poemas seus

5 comentários:

rendadebilros disse...

Está explicado o azedume de uns quantos senhores...

Maria Lisboa disse...

E por causa dos burocratas os funcionários perdem o prazer pelo seu trabalho

Sou um funcionário cansado

http://marialisbo.blogspot.com/2007/11/sou-um-funcionrio-cansado.html

Maria Lisboa disse...

E por causa dos burocratas os funcionários perdem o prazer pelo seu trabalho

Sou um funcionário cansado

http://marialisbo.blogspot.com/2007/11/sou-um-funcionrio-cansado.html

Maria Lisboa disse...

E por causa dos burocratas os funcionários perdem o prazer pelo seu trabalho

Sou um funcionário cansado

http://marialisbo.blogspot.com/2007/11/sou-um-funcionrio-cansado.html

Maria Lisboa disse...

Desculpa! Isto não entrava e, de repente, multiplicou-se!!!!

:(

Blog Widget by LinkWithin