sexta-feira, julho 11, 2008

Húmos na Ópera, outros em casa

Não sei se lá teria estado o Jorge de Sena, como queria acreditar o Eduardo Lourenço. Apenas senti um odor a terra húmida, não sei vindo de que Baixa ali no São Carlos, que se entranhou vinda ninguém sabe de onde, depois que o Saramago falou no Húmus do Raúl Brandão, uma das próximas homenagens que a Fundação José Saramago está a promover, verbo padrasto, ingrato vocábulo, como bem assinalou Saramago, quando se trata de evocar os homens e as suas obras. A obra de Jorge de Sena foi evocada e o autor convocado. Quanto a mim gostaria ter podido ouvir mais poesias e menos palavras.

O primeiro foi o relato mais vivo, o de Jorge Fazenda Lourenço, que nos contou que andou a mexer na papelada e trouxe para nos ler uma declaração pública feita pelo Jorge de Sena na Guarda. Textos A.

Os outros: António Mega Ferreira e Vítor Aguiar e Silva falaram no homem e na obra, na sua faceta camoniana, na relação com a pátria e evocaram textos e homens, lendo textos escritos a propósito deste regresso. Textos B.
Quanto ao ministro disse que ajudava no que pudesse, e que viesse o homem e o espólio que por cá se havia de arranjar os meios. Ainda bem que o senhor ministro é alto, imagino que em certas fotos poderá ficar como que a comer as flores.
O Saramago também não ficou contente privado de ver as pessoas na plateia por causa das mesmas flores. Esteve para tirá-las dali para fora mas não passou de um impulso contido que depois nos contou, como se todos nós tívessemos as nossas fraquezas e pudéssemos compreender. Mas eu também acho que é difícil a tarefa de desmanchar o que outros construíram. Por isso se conteve no seu gesto, afirmando-o como uma não-afirmação. Já não sei quem disse que não pode regressar quem já cá está, mas talvez tenha sido Saramago, patrono do evento, a propósito de Jorge de Sena. Abandonou o palco levando consigo um outro ramo de flores. Para Pilar.
Às vezes temos que ficar calados e quietos e ouvir o que outros têm para dizer. E ficar a aprender o que outros ganharam com as suas experiências, o que aprenderam de tanto procurar. Chama-se isso transmissão de cultura. Pega-se é contagioso, mas não é uma doença, é um apetite. Como uma sala de ópera começar de repente a cheirar a terra molhada.

1 comentário:

Moriae disse...

é 12 de Julho.
abraço,
M.

Blog Widget by LinkWithin