quarta-feira, novembro 19, 2008

A bota a bater com a perdigota! (ou fora de cena quem não é de cena)

Image Hosted by ImageShack.us


Dissidências: Defendida remoção de MLR em reunião do PS

Lisboa, 18 Nov (Lusa) - O dirigente socialista, Augusto Santos Silva, afirmou hoje que "a avaliação de professores é para fazer" e que a "obrigação" do Governo passa por "apoiar as escolas" para que estas a façam nas melhores condições.

"Só há uma maneira de nós corrigirmos ou melhorarmos aquilo que houver que melhorar, é fazer a avaliação de professores", afirmou o também ministro dos Assuntos Parlamentares, no fim de uma reunião da ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, com os militantes socialistas.

Augusto Santos Silva acrescentou ainda que se a avaliação não for feita, "nunca conseguiremos perceber as suas potencialidades e também quais são os pontos em que pode ser melhorada".

A reunião que durou até à madrugada de hoje, faz parte das audições regulares dos governantes pelos militantes socialistas.

O presidente da Pró-Ordem dos Professores, Filipe do Paulo, afirmou ter sido impedido de concluir uma intervenção quando pretendia pedir a demissão de Maria de Lurdes Rodrigues.

"Aquilo que me transmitem é que esta situação só se desbloqueará com a mudança de actores no Ministério da Educação", afirmou Filipe do Paulo, acrescentando ter-se sentido "bastante condicionado" por não lhe terem permitido concluir a intervenção em que pretendia demonstrar "que a política educativa que tem sido seguida, de afrontamento a toda uma classe profissional, falha por ter falta de bom senso".

"Se este modelo de avaliação tinha boas intenções, ele acaba por falhar redondadamente porque cada vez se está a revelar mais inexequível", concluiu.

NM.

Lusa/Fim


***********************************************************************


O ALVO PRINCIPAL DOS PROFESSORES DEVE SER SÓCRATES, pois a ministra da Educação é um "verbo de encher"!

Ora aqui vai uma previsão, para quem consta de sociologia (ou politologia):

A demissão da ministra da Educação é inevitável. Sócrates usou-a para concentrar nela a contestação. Os professores, embalados no canto sindical e na sua própria escolha eleitoral prévia, evitaram atingir o primeiro-ministro. Agora, o trabalho de adesão da inveja reforma está feito e a ministra tem de ser despedida para Sócrates, após autoria, confessar... inocência. A ministra será demitida por Sócrates após o acordo possível com os professores e bem antes das eleições europeias.

Aliás, a demissão da ministra não é apenas uma convicção política minha, baseada no interesse eleitoral de Sócrates: é a própria ministra que se expõe, por deslumbramento e incapacidade de consumo diferido, de quem teve origem muito humilde, na compra de um apartamento, conforme referido pelo 24Horas de 3-11-2008, ecoando notícias que circulavam já pelos blogues. Segundo o 24 Horas de 3-11-2008 (a fonte neste caso), a ministra vive num apartamento da Azinhaga das Carmelitas em Carnide, e na sua idade (52 anos) terá, há pouco tempo, alegadamente comprado um apartamento de cobertura com 160 m2 por 500 mil euros na luxuosa Avenida de Roma em Lisboa, através de uma hipoteca de 883.690 euros que se presumem também para as obras em curso no apartamento ("uma remodelação arquitectónica profunda") a cargo da empresa Tanagra. Faça o leitor a simnulação do encargo e verifique se, sem rendimentos extraordinários, lhe parecem suportáveis as prestações mensais do alegado empréstimo de 883 mil euros (aos 52 anos...) com o salário de ministra (temporário...) ou de professora universitária, mais do companheiro também professor universitário e com idade próxima. Pode a ministra prever a sua contratação por instituição do sector (por exemplo, um grupo económico, como o GPS), mas não se me afigura razoável no período após a função de ministra. Não... a hipótese mais provável é a seguinte: Sócrates já explicou à ministra que ela tem de sair, mas ofereceu-lhe um lugar manifestamente elegível na lista do PS ao Parlamento Europeu, o qual lhe garante, pelo menos, cinco anos de receita principesca, com eventual renovação do mandato (e depois pensão) - e pode até levar o companheiro para assistente. Como as eleições para o Parlamento Europeu são em Junho, e entretanto terá de participar na campanha, Maria de Lurdes Rodrigues será demitida de ministra da Educação até Abril de 2009 - faltam-lhe 5 meses, no máximo, pois pode sair a qualquer momento... Tem, portanto, a ministra a demissão anunciada. Logo, é desnecessário bater em cadáveres políticos: Sócrates deve ser o alvo da luta dos professores.

E a demissão de Sócrates deve começar a ser pedida já!

--
Ludo Rex
"O que importa é transformar o mundo - A Blogosfera é o nosso meio!"
O que faz falta é avisar a malta...O que faz falta é acordar a malta...O que faz falta...
Momentos & Documentos [http://momentosydocumentos.wordpress.com/]



2 comentários:

Margarida disse...

andei com uma t-Shirt, na segunda-feira, belíssima!!!
Gracias, Kaotica :-)
Bjos para todos aí em casa!

Kaotica disse...

bjos

Blog Widget by LinkWithin